Revista RioGourmet - O Guia Gastronômico da Cidade

Aguarde, carregando...

OS CHEIROS, TEMPEROS E LEMBRANÇAS DE ODACY DE BRITO

OS CHEIROS, TEMPEROS E LEMBRANÇAS  DE ODACY DE BRITO
Redação Rio Gourmet
Por: Redação Rio Gourmet
Dia 22/09/2020 08h26

Da Vanguarda Cultural à Culinária

OS CHEIROS, TEMPEROS E LEMBRANÇAS  DE ODACY DE BRITO

A pesquisadora pernambucana, Odacy de Brito, é uma mulher do mundo, das miscigenações e respira cultura aonde quer que esteja. Radicada há anos em São Paulo, mas com casas de ‘campanã’ (acolhimento, como ela as denomina no Rio e em Rondônia),  clama em dizer que em sua concepção o poder da culinária para contar a história de um povo é inigualável.

Conhecida por sua paixão pelo estudo das civilizações, Odacy  é uma casuística (na criminal tendo atuado por mais de 30 anos),  na literatura biografou sobre ‘Dona Zica da Estação Primeira de Mangueira’ e é autora de ‘Defendendo o Meu Padrinho Padre Cícero - O Santo do Povo Brasileiro’.

Já na jurídica, entitulou livros como ‘Filhos da Justiça’, ‘Aprendendo o Tribunal do Júri em 20 horas aulas’, entre muitas outras obras.

No momento, atua em um projeto muito especial em parceria com uma amiga médica, também pesquisadora, para o lançamento de seu primeiro livro sobre práticas culinárias, resultado de anos de pesquisas e estudos.

ODACY DE BRITO DA VANGUARDA CULTURAL À CULINÁRIA

O livro “Entre Américas – Brasil e Venezuela tradições culinárias”, veio para desmistificar  e trazer à tona a verdadeira essência de que  qualquer um pode cozinhar, exaltando à culinária americana, seus sabores e magnitudes” diz.

Para esta mulher de sorriso largo e profundo respeito e gratidão à Vida, as fronteiras possuem um encanto gastronômico próprio e esplendoroso, atraindo olhares do mundo e principalmente o dela: “Na realidade, o  que  me  fascina é, e está,  no  conhecer o  caminho  dos  alimentos, a  ancestralidade dos  mesmos entre  os povos, a  alquimia entre  ingredientes; Gosto  de  fazer pratos com  meus  toques,  minha  inspiração”, explica a pesquisadora relatando que seu prazer e paixão pela comida começaram desde muito jovem, quando criança.

“A infância na vida de uma filha, cuja mãe amava culinária, preparava  pratos,  doces,  salgados, sendo  o Recife  um  lugar  de festas, como fui  criada, numa  casa  ampla  com  muitas fruteiras na  praia  de  Boa  Viagem, nas  minhas  lembranças são muito  mais  que  pratos;  por  todos  os  cantos  me  vejo  tirando  caju do pé,  goiaba,  jambo coco,  araçá,  fazendo  de  minha  vida uma  cajuína no  dizer  de  Caetano, ou  abacateira  no  de  Gil... juntava  as  castanhas, juntava  com  o povo da  redondeza e tinha  o  dia  do  assar . Tudo  muito  natural, fogos,  fogão,  milho, fogueira, carnaval  e  cuba libre”, relembra Odacy, acrescentando o quanto é importante observar o âmbito da gastronomia correlacionada às civilizações , comportamentos e cultura.

Com vocês para a Revista Rio Gourmet, Odacy de Britto e suas reminiscências culinárias.

1-Para a senhora, uma estudiosa das civilizações, qual a importância cultural da gastronomia?

Toda importância, significa tudo, inclusive estou  concluindo  com  Carmen,  médica  amiga  e  parceira um livro sobre  práticas  culinárias, pesquisa  de  seis  anos,  envolvendo  o  Continente  Americano. O nome é ENTRE AMÉRICAS - BRASIL VENEZUELA TRADIÇÕES CULINÁRIAS.

2-Poderia explicar quais os estados onde encontra cheiros e temperos que lhe transportam a sensações de prazer?

Para mim as fronteiras são apaixonantes e envolvem  vários  aspectos. Uns naturalmente jurídicos, mas outros  sociais, ou  seja,  transcendem  a  linha de  separação  de  dois  ou  mais  países,  envolvem  sobretudo  direitos  humanos,  dupla  cidadania, mas  também  oportunizam  convívios  com  práticas   culturais  diversas,  a  partir  da  comunicação,  idiomática, culinária,  folclore  etc.

3-A senhora uma vez declarou que as fronteiras possuem um encanto gastronômico maravilhoso. O que lhe atrai nas mesmas em termos de comidinhas misturadas? Por exemplo,  de um lado o Brasil, de outro Colômbia e por aí vai...

Sim , por  exemplo  tríplice  fronteira  Brasil, Colômbia, Venezuela, os  sabores  da  arepa ,  bandeja  paísa,  ou  mesmo  considerando Suíça,  Alemanha,  Itália,  França, cujo  convívio muitas  vezes  começa  num  trem entre  sabores  e  idiomas  diferentes. Isso é encantador.

4-A senhora gosta de cozinhar? Na cozinha de casa o que gosta de preparar?Poderia dar a receita?

Na realidade, o que me fascina é  conhecer o  caminho  dos  alimentos, a  ancestralidade dos  mesmos entre os povos, a  alquimia entre  ingredientes,  gosto  de  fazer pratos com  meus  toques,  minha  inspiração! Em casa amo preparar  camarão, a  receita  está no  pensar  em  fazer,  sentir,  vontade  de  preparar, está  na  praia,  eu  mesma  ir  comprar, inclusive  os  ingredientes.   

Vamos lá para a receita, que é muito fácil:  

ODACY DE BRITO DA VANGUARDA CULTURAL À CULINÁRIA

‘ Camarão a La Odacy'

2kgs  de  camarão  grande,   coentro,  salsinha, cebolinha (  duas  colheres  de  sopa),  cebola (  uma  grande,  cortada  ao  comprido,  idem  dois  tomates,  cortados  ao  comprido sem pele. Colocar tudo com muito azeite em uma panela grande e depurar os sabores. Depois é só servir e bom apetit! 

5-No tabuleiro da baiana tem?

Tem de tudo, principalmente o reconhecimento da importância da  Bahia  e  da  cultura afro  na minha  vida.  Em todas as veredas  e  dimensões de  minhas  andanças, o  nome  de  Tia  Ciata é  sempre  lembrado, pois  tudo  veio depois  dela, afinal  na  sua  casa,  nasceu  o  primeiro  samba,  lugar  de  reza, quitute,  música  e poesia.

6-Prato que te lembra a infância?

A infância, na vida  de  uma filha, cuja  mãe  amava  culinária,  preparava  pratos,  doces,  salgados, sendo  Recife  um  lugar  de festas, como fui  criada numa  casa  ampla e  com  muitas fruteiras, na  praia  de  Boa  Viagem me trazem recordações excepcionais.

 Minhas  lembranças são muito  mais  que  pratos,  por  todos  os  cantos  me  vejo, tirando  cajú  do pé,  goiaba,  jambo coco,  araçá,  fazendo  de  minha  vida uma  cajuína no  dizer  de  Caetano, ou  abacateira  no  de  Gil;  juntava  as  castanhas, juntava  com  o povo da  redondeza e tinha  o  dia  do  assar.... tudo  muito  natural, fogos,  fogão,  milho, fogueira, carnaval  e  cuba libre.

7- Comidinhas necessárias em sua despensa e geladeira ?

Folhas, alcaparra, ovo, torradinhas, carpaccio, tomatinhos, queijinhos e presuntinhos ;  amo  fazer  omeletes  rápidos,  a  partir   dos  meus  temperinhos   naturais que  são  muitos(  aipo, salsão, alho  poró, alfavaca, alecrim,  hortelã e  outros).

ODACY DE BRITO DA VANGUARDA CULTURAL À CULINÁRIA

8-Bebidinha Detox

Como nordestina, amo  sucos  de  frutas  naturais,  cajú,  cajá,  mangaba,  sapoti, manga rosa,  tudo  cantado  por  Alceu  !

9- Nesta flexibilização onde indicaria para se tomar um café da manhã caprichado aqui no Rio? 

Não sei  ainda, sou  o  momento !!!

10- Quando voltarmos ao convívio social sem medo do Coronavírus onde indicaria um almoço entre amigos?  

Moro em  SP   e  lá  tem  muito o  reunir-se sábado, eu  particularmente quando  estou  no  meu  habitat, costumo  ir  ouvir  música,  MPB    no  Genuíno ,  um  lugar  muito  gostoso, espaço  com  muito  verde,  a  cara  da  família humana  que  sigo  buscando  e  encontro  sempre que  volto por  lá.

11- Sugestão para um jantar romântico?

Sou  uma  pessoal  casual,  mesa  é  compartilhamento, ser  romântico é estar com  as pessoas  de  minha  vida, em  todas  as ocasiões. Sou romântica por  natureza,  como  visão  e  interpretação  de minhas  caminhadas,  via  mundo, este  é  o  meu  alinhamento. Imagino-me  próximo  de  uma  mesa com uma  obra  de  Matisse ? Eu gosto  muito !

 12 – Delivery predileto

Depende do  momento e  de  onde  estou. No Rio, por exemplo, um Galeto. Em São Paulo, uma Pizza e em Recife uma Macaxeira com carne de sol e baião de dois.

13- Boteco Bacana pra tomar chopp ?

Qualquer lugar, com  gente  de  minha  vida,  para  mim a  essência  está  no  compartilhamento  amigo,  afinal  brindar  é  muito  mais  que  dois  copos no  espaço ...

 14 - Fim de tarde à beira mar

Adoro o mar, por todo  tempo,  inclusive dormir  com  o  barulho  das  ondas.  No Rio os quiosques são muito gostosos.

15- Chef

Quando estou inspirada e disponho de  tempo sou  a  minha  chef , admiro  muito  a  cozinha  como  um  todo  e  de  todos  lugares. Posso  até  não  gostar  dos  pratos,  neste  bate - papo brindo  com  Gastón, Acurio,  Jaramillo , chef de cozinha peruana, inequívoco   promotor da comida peruana e  mundo  à  fora.

16-Para beber um bom vinho?

 Admiro quem gosta e conhece, a tradição da escolha etc...  mas não é a minha bebida.

 OS CHEIROS, TEMPEROS E LEMBRANÇAS  DE ODACY DE BRITO

17-Bebida predileta

Gosto das cervejas tradicionais do Brasil ( Skol e Original ), são as minhas prediletas.Gosto e sei beber, bebo por prazer. Sou discípula da tia Neuma da Mangueira,  a diferença é que ela só gostava de Brahma

18- Programa de Domingo em casa 

Por  incrível que pareça, programa  de  domingo :  tomar  café  na  minha  casa, que  eu  mesma  preparo, e  ir  à  feira comprar  minhas  frutas  e  folhas .... escolher  o  que  levo  para  casa, e  que  não  faço  há  6  meses.

19 - Aquela super padaria...

Padarias são muitas ,  mas como exerci a advocacia muitos anos em São Paulo me apaixonei por um reduto de velhos e jovens causuísticos, na Praça Jõao Mendes, a Santa Terezinha.

20 - O melhor petisco

Como disse antes muitas perguntas como melhor restaurante ( respondido anteriormente, pois além de existirem diversos, a essência  da vida está no compartilhamento), é este o melhor petisco, inclusive.

21-  Um hobby

Imaginar paisagens futuras por onde ainda caminharei ... sou o agora com o pé no futuro.

22- Cinema, TV ou teatro?

Teatro, cinema e TV : tudo depende do momento e conteúdo... gosto mais de música,  mas não dispenso o teatro, gosto da dinâmica do palco.

23- Um filme que recomenda

Filme, o último há mais de 10 anos ...não  sou de cinema, leio muito, o último a “Festa do Bode” de Mario Vargas, um peruano singular  de minha  vida.

20- E esta pandemia... Como será a nova realidade?

A realidade está aí, novas formas de conexões, isso em todas as áreas.

Saborear o tempo e as oportunidades.

 

Contato:

DMC 21 Comunicação e Marketing 

Jornalista responsável: Mirian Barbosa - Telefones: (21) 98137-9583

 

 

 

 

 

Veja também:

Confira mais artigos relacionados e obtenha ainda mais dicas do mundo gastronômico.