OS SABORES DA CULINÁRIA MINEIRA

OS SABORES DA CULINÁRIA MINEIRA

Conhecida por sua simplicidade, a culinária de Minas Gerais oferece pratos extremamente saborosos, com cheiros marcantes e cores vibrantes, que carregam muito de sua história da época de exploração das minas de ouro.

Apreciada por suas cores, sabores e aromas marcantes, a comida mineira é resultado do encontro de diferentes povos que ocuparam seu território na época do ciclo do ouro, vindos especialmente de Portugal –colonizadores da região - e África – que enviou um número elevado de escravos para trabalhar nas minas, além da influência dos nativos indígenas.

A culinária mineira tem, portanto, origem nas coisas simples, que podiam ser conseguidas mais facilmente, como a mandioca, feijão, milho, verduras, frango e porco. Um exemplo é o angu mineiro, prato que leva apenas fubá e água, consumido com couve refogada e linguiça de porco frita. Simplicidade e sabor são as características da culinária de raiz, que tem sofrido influências e mudanças com a modernidade e necessidade de produzir em larga escala. Na tentativa de preservar ao máximo a tradição, algumas receitas foram registradas como “patrimônio cultural” de Minas Gerais para evitar futuras descaracterizações, como é o caso da receita do pão de queijo e do queijo-minas.

O modo de preparo da comida mineira é antigo, em panela de ferro muito quente, refogada com alho, cebola e cheiro verde. Não pode ser branca, tem que ser corada. O urucum é utilizado para deixar a comida colorida, além de ter um cheiro delicioso quando refogado.

Abaixo, os carros-chefes da culinária de Minas Gerais:

Tutu de feijão

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Feijão cozido, refogado e engrossado com farinha de mandioca. Em Minas Gerais, costuma-se usar o feijão-roxinho ou o feijão-preto, amassado em forma de purê antes de receber a farinha de mandioca. Acompanha arroz, couve, torresmo e carne de porco frita.

Frango ao molho pardo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Antes de servir, a ave guisada em pedaços é acrescida do próprio sangue, colhido no momento do abate e misturado a vinagre para não coagular. O resultado é um molho escuro. Em Portugal, onde se originou, a receita ganha o nome de galinha à cabidela e a técnica de empregar o sangue no preparo também é aplicada a outras aves, como pato, ganso e marreco.

Bambá de couve

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

É feito com caldo de carne engrossado com fubá, ovos, couve e linguiça.

Feijão-tropeiro

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A receita mistura feijão cozido, farinha de mandioca e linguiça.

Rabada

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

É um ensopado feito com o rabo do boi acrescido de alguns legumes.

Angu

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O angu é um engrossado de fubá de milho muito bem temperado. Junto com o frango com quiabo é um dos pratos mais requisitados da cozinha mineira.

Couve refogada

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Essencial para acompanhar pratos como a feijoada e o tutu de feijão. Na versão à mineira, a couve é cortada bem fininha e refogada um pouco antes de ir à mesa com banha de porco, alho e cebola.

Doce de abóbora

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Compota em pasta de abóbora com coco. O doce caseiro é preparado sem pressa em várias versões, com ingredientes frescos.

Doce de leite

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Preparado em uma panela grande, com leite fresco e açúcar, o doce de leite é umas das sobremesas mais tradicionais de Minas Gerais.

Queijo mineiro

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Metade dos queijos consumidos no Brasil vem de Minas Gerais. Com sabores e texturas particulares de suas regiões, os queijos mineiros não são igualmente reproduzidos em outros locais. Isso porque o resultado final do produto depende do solo, clima e temperatura da região, assim como dos gados e do que eles se alimentam.

O mais famoso deles é o queijo minas. Em 2002, o queijo de minas do Serro foi reconhecido pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico (IEPHA) como “Patrimônio Imaterial”. Anos depois, nomeado pelo Instituto Patrimônio Histórico Nacional (IPHAN) como “Patrimônio Cultural Imaterial Brasileiro”.

Outro famoso queijo de Minas Gerais é proveniente da Serra da Canastra. Produzido há mais de duzentos anos.

O produto a base de leite também é o principal ingrediente do salgado mais consumido pelos brasileiros e queridinho dos mineiros: o pão de queijo.

Publicidade